ANIVERSÁRIO DA PARÓQUIA

Aniversário da Paróquia no próximo dia 2 de Fevereiro. Celebração às 19h30 na Igreja. Jantar no Centro Paroquial. Inscrições para o jantar na portaria do Convento (Telf. 226165760).

Madrid 2011

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Nasceu Jesus


São Mateus e São Lucas contam-nos como nasceu Jesus... Todos sabemos a força que exerce na nossa imaginação o nascimento do Deus Menino... Como será que as nossas crianças entendem e interpretam este acontecimento? Como nos relatam a história sobre o nascimento de Jesus?
Um grupo da nossa catequese redigiu uma história... Vejam-na!

Santo Nata!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

O nascimento de Jesus

Conto de Natal

A Magia do Natal

Era Dezembro e todos esperávamos que a magia acontecesse.
Da cozinha quente chegava-nos um cheiro doce a rabanadas acabadas de fazer, envoltas em canela, fumo e calor do fogão de lenha de casa da minha avó.
O presépio magnificamente simples fazia-nos lembrar a essência e a verdadeira importância do Natal.
Todos os anos, o Avô esperava por nós e juntos íamos pela serra apanhar musgo verdinho e húmido nas sombras dos pinheiros, entre as pedras escondidas e em lugares únicos que só o meu avô conhecia.
Depois do musgo era a cortiça, para montar o estábulo igual ao de Belém. Então, num misto de medo e excitação, entravamos sorrateiramente num terreno que não era nosso, um de nós ficava de vigia, e o avô descascava o sobreiro com mestria de rapinador.
Era uma tarde tão bem passada com uma intimidade profunda de sentimentos puros…
Voltávamos com as unhas pretas e a alma clara cheia de gargalhadas francas e simples, e aquilo fazia-nos bem.
Forrávamos o armário com uns panos verdes, cuidadosamente lavados de um ano para o outro, e espalhávamos o musgo. A avó montava o estábulo e,
atenção, muita atenção, que íamos desembrulhar o presépio.
Todos os anos era como se fosse a primeira vez que o víamos. Abríamos a boca de espanto e o coração enchia-se de uma inexplicável ternura.
Era tão bonito montar o presépio em casa dos meus avós…
O avô desembrulhava o S. José, fazia-nos ver que o importante é acreditar nas pessoas, ser humilde e responsável.
Era a vez da avó desembrulhar a imagem de Maria. Era tão bom desembrulhar a imagem de Maria. Sentíamo-nos protegidos e contentes. A minha avó fazia-nos ver que a coisa melhor do mundo é o amor de mãe. É mágico e poderoso, eterno e indestrutível, é puro e incondicional.
O manto azul de Maria já tinha manchas do tempo, como as mãos da minha avó, mas era tão bonito na mesma.
Depois um de nós punha o burro, outro a vaca, e o mais pequenino punha a estrela. Houve um ano que me calhou a mim pôr a manjedoura, ainda me lembro da minha alegria…
E o menino Jesus?
O menino Jesus era o meu pai que punha, mas só na noite de Natal.
Esse ano não foi diferente dos outros, ou foi, foi sim, era sempre diferente e impossível de acreditar.
Depois da Missa do Galo e antes da ceia, o meu pai foi pôr o menino Jesus nas palhinhas e a magia aconteceu, mais uma vez a magia aconteceu:
De repente, o nosso coração enchia-se de fé e de luz e a nossa alma emanava alegria e amor pelo Deus Menino que nasceu.
Era Natal.

Leonor Mexia
Dezembro 2007

Obrigado Leonor pela candura das palavras que neste quadra nos recordam a ternura de Deus! FZM

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Natal: Festa do acolhimento ou de exclusão?


Mensagem do Frei Pedro Fernandes, OP

Estamos no Tempo do Advento, tempo de esperança e de preparação para o Natal. Este será celebrado consoante for a sua preparação. Temos que estar acordados e em condições de receber Aquele que quer estabelecer a sua morada em nós. Ele não só nasceu para nós, mas quer nascer em nós. Estamos já a viver o mistério do nascimento de Jesus. O Emmanuel veio ter connosco, fazendo-se um de nós, “em tudo igual a nós, menos no pecado.” Veio assumir a natureza humana; fez-se homem para nós. Se isto aconteceu, foi por iniciativa do Pai: “Deus amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho único”. É o Amor de Deus que presidiu a esta iniciativa, e que dá sentido a este Acontecimento. É o amor que dá sentido à vida. É porque Deus nos ama que nos enviou o seu Filho muito amado, para habitar entre nós e permanecer em nós, fazendo, de cada homem, a sua morada; o seu presépio será no coração dos homens, se eles deixarem. Saibamos acolhê-lo e adorá-lo, como os pastores e os Magos.

Lê-se no Evangelho de João 1, 11: “veio para o que era seu, e os seus não o receberam.”
Não sejamos deste grupo. Será que o acolhemos? Deixamo-nos acolher por Ele? Que acolhimento fez Ele aos pastores, aos Magos, às crianças, aos pecadores, às prostitutas, aos doentes, aos pequenos, aos estrangeiros, aos imigrantes, às viúvas? Que acolhimento lhe fizeram os fariseus, os escribas, os saduceus, Herodes, Pilatos, etc? Que acolhimento lhe fizeram os que o mataram? Pagou-lhe Ele com a mesma moeda? Não, mas disse: “Pai, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem”. A sua atitude foi sempre de acolhimento e não de exclusão. Tentou recuperar as pessoas, recriá-las, reintegrá-las, ou rotulá-las e marginalizá-las? A vida de Jesus fala por si. Ele nunca excluiu ninguém, por muito mau que fosse; rejeitou o mal que as pessoas faziam, mas não rejeitava as pessoas; nem se deixava levar pelo que os outros diziam. A sua missão era salvar a todos e que nenhum se perca. Temos muito a aprender d’Ele. “Aqueles que o receberam, deu-lhes a dita de se tornarem filhos de Deus; eles que não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (Jo.1,11­13).
Que ninguém se sinta excluído nem por Deus, nem por ninguém; mas que nenhum de nós se atreva a excluir alguém, mesmo que tenha dito mal de nós ou nos tenha prejudicado. “quem vos rejeita a mim rejeita” – diz o Senhor.

Para acolher, é preciso amar; aquele que não ama o seu irmão que vê, é homicida; há muita maneira de matar, de excluir, de pôr de parte; Ele não nos põe de parte, nem nos exclui. Se Ele é Mestre e Senhor devemos aprender d’Ele a fazer o mesmo: “quem vos acolhe a mim acolhe.” É caso para nos interrogarmos: como acolhemos o Senhor que nasceu por nós e para nós? Tomamo-lo a sério? Aceitamo-lo como Ele se revelou e se dá a conhecer? Aceitamo-lo ou excluímo-lo da nossa vida? Neste Natal, haverá lugar no nosso coração, no seio das nossas famílias, nos nossos grupos, lugar para Ele? Que, na vida, e muito menos nesta quadra litúrgica, que ninguém se sinta excluído, porque Ele veio para acolher e ensinar-nos a acolhê-lo e a acolher os outros. Estejamos atentos para acolher as pessoas que estão sós, ou doentes, que são os que mais precisam; o melhor que lhes podemos dar, além da nossa oração, é a nossa presença humana, fraterna e acolhedora; no fundo necessitam de calor humano. Não nos cansemos de fazer o bem; se assim procedermos, chegaremos ao fim com o dever cumprido.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Confissões no Advento


Com o intuito de preparar e viver bem o Advento e o Natal haverá confissões na catequese. O Sacramento da Reconciliação destina-se às crianças do 4º, 5º e 6º anos (Descobrir 2, Celebrar 1 e Celebrar 2). O horário será na hora da catequese, de 9 a 15 de Dezembro.


CALENDÁRIO DAS CONFISSÕES

Domingo, 09 de Dezembro: às 10h30
2ª-feira, 10 de Dezembro: às 17h00 e às 18h30
3ª-feira, 11 de Dezembro: às 17h00 e às 18h30
4ª-feira, 12 de Dezembro: às 17h00 e às 18h30
Sábado, 15 de Dezembro: às 11h00

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Curso de Iniciação


No passado dia 29 de Novembro terminou o Curso de Iniciação à Catequese. Frequentaram este curso 60 catequistas (oriundos, na sua grande maioria, da nossa Paróquia). Os participantes poderão fazer a avaliação do mesmo no dia 06 de Dezembro, às 21h00, no Auditório do Centro Paroquial.


O Secretariado Diocesano da Educação Cristã do Porto disponibiliza o Livro do Formando onde os catequistas encontram as informações necessárias para uma conveniente preparação.


Para outras informações contactar a Secretaria da Catequese.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Salvos na Esperança

O Papa Bento XVI publicou hoje a sua segunda Encíclica com o título Spe Salvi (Salvos na Esperança).

Ao começarmos o Advento (sinónimo de Espera e de Esperança) fica aqui o convite para levarmos ao nosso mundo, aos homens e mulheres do nosso tempo, a esperança que nos anima!

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Novo Cancioneiro


Temos a alegria de anunciar que o novo CANCIONEIRO está na tipografia! Brevemente já o poderemos utilizar nas nossas Eucaristias. Este Cancioneiro é fruto do trabalho e dedicação de muitas pessoas. Para a compilação e revisão dos cânticos contamos com o empenho da Rita Melo e do Frei João Leite a quem muito agradecemos, assim como à pessoa que se ofereceu para custear na totalidade a sua publicação.

Quem quiser consultar os cânticos com acordes pode fazê-lo neste endereço:

http://docs.google.com/Doc?id=dfv7fbm7_13wgh8cd

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Solenidade de CRISTO REI

Neste Domingo, dia 25 de Novembro, a Igreja celebra a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. Para o celebrar apresentamos este pequeno vídeo onde podemos apreciar algumas imagens da nossa Igreja, Convento e Centro Paroquial ao som das vozes dos Pais e Filhos que cantam no Coro da Catequese!

Parabéns a todos e muito obrigado pela vossa ajuda!

Entrevista a D. Manuel Clemente


O Bispo do Porto, D. Manuel Clemente, concedeu uma entrevista em Roma por ocasião da Visita Ad limina e que está publicada na página da diocese com o título: "Sem experiência comunitária não há experiência do Deus de Jesus Cristo". Convidamos os nossos leitores a conhecê-la no seguinte endereço:

http://www.diocese-porto.pt/noticias/arquivo/entrevista-roma-1.htm

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Notícias do Curso de Iniciação

O Curso de Iniciação à Catequese começou neste sábado dia 17 de Novembro. Participaram mais de 60 pessoas, com o que nos congratulamos. Nesta e na próxima semana o curso decorrerá à noite com o seguinte horário (actualizado):

20 de Novembro (3ª-feira): 21h00 – 23h00
22 de Novembro (5ª-feira): 21h00 – 23h00
27 de Novembro (3ª-feira): 21h00 – 23h00
29 de Novembro (5ª-feira): 21h00 – 23h00

Pede-se máxima pontualidade aos participantes.

Aproveitamos a oportunidade para deixarmos alguns endereços electrónicos onde podem ser consultados vários documentos inportantes para a formação e actualização dos catequistas.

Concílio Vaticano II:

Directório Geral para a Catequese (1997):

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Curso de Iniciação para Catequistas

Lembramos que neste mês de Novembro decorre na nossa Paróquia um Curso de Iniciação para Catequistas orientado pelo Secretariado Diocesano de Educação Cristã da Infância e Adolescência.

Fazemos apelo para que todos os catequistas que se inscreveram participem assiduamente e aproveitem esta oportunidade de formação. Para o esclarecimento de alguma dúvida devem contactar a Secretaria da Catequese (2º andar do Centro Paroquial de Cristo Rei, Rua Santa Joana Princesa, nº 38. Telf.: 226177700).

Deixamos novamente aqui o calendário com as datas dos encontros.

17 de Novembro (sábado): 09h00 – 13h00 e 14h00 – 18h00
20 de Novembro (3ª-feira): 21h30 – 23h30
22 de Novembro (5ª-feira): 21h30 – 23h30
27 de Novembro (3ª-feira): 21h30 – 23h30
29 de Novembro (5ª-feira): 21h30 – 23h30

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Papa Bento XVI

O Papa Bento XVI recomenda, no seu discurso aos Bispos portugueses, por ocasião do final da visita ad Limina que:
É preciso mudar o estilo de organização da comunidade eclesial portuguesa e a mentalidade dos seus membros para se ter uma Igreja ao ritmo do Concílio Vaticano II, na qual esteja bem estabelecida a função do clero e do laicado, tendo em conta que todos somos um, desde quando fomos baptizados e integrados na família dos filhos de Deus, e todos somos corresponsáveis pelo crescimento da Igreja.

O Papa acrescenta:
À vista da maré crescente de cristãos não praticantes nas vossas dioceses, talvez valha a pena verificardes «a eficácia dos percursos de iniciação actuais, para que o cristão seja ajudado, pela acção educativa das nossas comunidades, a maturar cada vez mais até chegar a assumir na sua vida uma orientação autenticamente eucarística, de tal modo que seja capaz de dar razão da própria esperança de maneira adequada ao nosso tempo» (Exort. ap. pós-sinodal Sacramentum caritatis, 18).

O discurso pode ser lido em:

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Uma leitura do mundo

Todos somos tocados pelas transformações que as sociedades sofrem. O mundo - o nosso mundo - mudou e com ele nós também.

Parece que os homens e as mulheres de hoje perderam a sensibilidade e o cuidado de ouvir Deus, e este endurecimento do coração e da crença afecta, igualmente, os espaços educativos, como os da catequese.

A catequese tem que estar consciente desta realidade para poder desempenhar a missão a que é chamada.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Perfil do Catequista

O documento "Para que acreditem e tenham vida - Orientações para a catequese actual" emitido pela Conferência Episcopal Portuguesa em 2005 é a base de reflexão do artigo Perfil do catequista, escrito por José Cardoso de Almeida e publicado na revista Pastoral Catequética. O referido artigo pode ser lido no seguinte endereço:

Boa reflexão!

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

A Família e o despertar religioso dos filhos

A formação permanente dos catequistas, assim como dos pais, é uma tarefa urgente. O nosso Blog procurará contribuir, na medida do possível, para uma melhor formação de todos. Neste sentido facultaremos alguns documentos ou artigos que consideremos pertinentes para esta missão.

A Comissão Episcopal da Educação Cristã e o Secretariado Nacional da Educação Cristã meteram "mãos à obra" e lançaram em 2005 uma revista intitulada Pastoral Catequética. Neste momento estão publicados sete números. O último número oferece um artigo sobre A Família e o despertar religioso dos filhos. Este artigo pode ser consultado no seguinte endereço:

Esperamos que a sua leitura contribua para uma maior preocupação de todos na educação cristã das crianças.

Orientações para a catequese actual

No verão de 2005 a Conferência Episcopal Portuguesa lançou um documento com o título: PARA QUE ACREDITEM E TENHAM VIDA. Este documento oferece propostas de reflexão para a renovação da catequese. Deixamos aqui o endereço onde pode ser consultado.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

4ª Semana de Advento





PARTILHA DA VIVÊNCIA EM FAMÍLIA




Iniciar a catequese com:


1. Partilha da experiência da semana (frase, elogio à mãe, construção das figuras de Maria e da mãe).

2. Oração de louvor:

Pai de bondade,
Obrigado por teres escolhido Maria para ser a mãe de Jesus.
Obrigado pela minha mãe, por aquela que me fez nascer com ternura.
Obrigado pelo seu coração, por todos os seus gestos:
eles fazem-me viver e ser feliz.

PREPARAR A ESCUTA / O ENCONTRO COM O EMANUEL

Colocar música de fundo, pedir que se fechem os olhos, ler o texto, repetir algumas frases importantes. Dialogar a partir do texto.

TEXTO BÍBLICO - Mt 1, 18-24

REFLEXÃO

Nesta quarta semana somos desafiados a contemplar José e Maria para receber deles a capacidade e a força de acreditar: que o impossível torna-se possível em Deus; que a fé desenha caminhos de amor, paz e esperança; que escutar e seguir a Voz do Pai, torna-nos mais humanos e divinos; que acolher e amar o outro une ao Deus Trindade; que a humildade e a simplicidade são reflexos de grandeza e beleza; que o abandono nas mãos de Deus traz serenidade e felicidade; que a ternura e a partilha fazem de nós irmãos...

Tomemos consciência de que, como Maria e José, somos capazes de acolher no coração e na vida o Deus menino. Essa competência é-nos oferecida pelo Espírito Santo. Invoquemo-lo para estarmos disponíveis à sua acção.

Que neste Advento o olhar sobre o presépio revele e desvende os traços de Deus no nosso ser.

"Que ao ver-te viver possa dizer-se: é impossível Deus não existir!"

FRASE A GUARDAR NO CORAÇÃO, DECORAR; MEDITAR E PARTILHAR

"Há-de a Virgem conceber e dar luz um Filho, ao qual hão-de pôr o nome de Emanuel»

MOTIVAÇÃO PARA A VIVÊNCIA NA FAMÍLIA

Nesta quarta semana, os catequizandos são convidados a:

  1. Dizer aos pais a frase da semana e a afixar a mesma em suas casas.
  2. Olhar, estarem atentos a seus filhos, e cada catequizando é desafiado a descobrir as suas capacidades, o bem que faz, a presença de Deus que o habita e agradecer a Deus a sua própria vida!
  3. Construir a figura de Jesus e a imagem de si mesmos e dos irmãos para que toda a família esteja no presépio na Noite de Natal.

VIVÊNCIA PAROQUIAL / GRUPO DE CATEQUESE

  1. Criar com os catequizandos a imagem de Jesus Menino e a própria representação de alguns catequizandos.
  2. Afixar a frase da semana.
  3. Criar um texto, para ser lido na eucaristia, louvor ao Pai pelo envio do Emanuel ao nosso mundo, e pelo dom de todas as crianças da paróquia.

in A Mensagem nº 387

3ª Semana de Advento




PARTILHA DA VIVÊNCIA EM FAMÍLIA



Iniciar a catequese com:




1. Partilha da experiência da semana (frase bíblica, estímulos de vida, construção das figuras de José e do pai). É importante pedir que partilhem alguns elogios ou gestos de carinho que tenham oferecido ao pai (ou outra pessoa que o representa)!

2. Oração de louvor:

Pai de bondade,
Obrigado por teres escolhido José para ser o pai adoptivo de Jesus.
Obrigado pelo meu pai, por aquele que colaborou contigo para eu nascer.
Obrigado pela sua vida, pelo amor que me tem,
pelo esforço que faz para me ver crescer e ser feliz.

PREPARAR A ESCUTA / O ENCONTRO COM O EMANUEL

Colocar música de fundo, acender uma vela, abrir com dignidade a Bíblia e entregar o texto a todos os catequizandos (se possível entregar uma Bíblia a cada catequizando). Pedir que rotativamente cada um leia uma frase do texto até este ser lido na sua totalidade. Solicitar que partilhem a palavra que consideram mais importante e que justifiquem a escolha. Sugerir aos catequizandos que apresentem ao grupo, pessoas que para eles são testemunhas da esperança e da alegria.

TEXTO BÍBLICO - Is 35, 1-6a,10

REFLEXÃO

SER alegre, paciente e misericordioso são os desafios deste 3° domingo de Advento. O profeta anuncia a alegria! Não uma alegria banal e passageira, mas a alegria de quem se sente acompanhado, experimenta ser amado incondicionalmente, tem um sentido para a sua vida e se dedica a uma missão em favor da humanidade. Uma alegria de quem volta das regiões da morte, do pecado, da solidão, e encontra a sua liberdade em Deus.

O profeta está feliz porque anuncia: «Tornai fortes as mãos fatigadas e robustos os joelhos vacilantes. Dizei aos corações perturbados: tende coragem. Não vos assusteis. Aí está o vosso Deus!... Ele próprio vem salvar-vos.» Em Jesus, cumpre-se definitivamente esta profecia. Ele é a testemunha fiel, de que se é feliz em Deus! Ele é o amor encarnado que levanta o oprimido: «Não temais». Não temais os homens nem as palavras, não temais a solidão nem a injustiça, quem vive centrado em Jesus Cristo encontra no fundo do ser uma força que lhe permite ver a esperança no fundo da noite.

Hoje precisamos de profetas da esperança, da alegria e da misericórdia, profetas livres e libertadores, profetas que confiam no amanhã. Olhemos à nossa volta... Existem profetas escondidos na simplicidade de quem vive ao nosso lado! Quem tem o olhar límpido, vê para além das aparências, vê com os olhos de Deus e descobre-os! Hoje somos chamados a dizer um sim ao Emanuel, a SER profetas da Luz!

FRASE A GUARDAR NO CORAÇÃO, DECORAR, MEDITAR E PARTILHAR

«Voltarão os que o Senhor libertar, hão-de chegar de Sião com brados de alegria, com eterna felicidade a iluminar-lhes o rosto," Is 35,10

MOTIVAÇÃO PARA A VIVÊNCIA NA FAMÍLIA

Nesta terceira semana, os catequizandos são convidados a:

  1. Dizer aos pais a frase da semana e a afixar a mesma em suas casas.
  2. Olhar, estar atento à mãe (ou quem a representa), ao que ela é, ao que ela faz na família e oferecer-lhe estímulos de vida: elogiar a mãe pelas suas qualidades ou quando ela faz algo, dar-lhe um gesto de carinho e ternura, propor-se a colaborar nas suas tarefas... Dizer-lhe que a ama.
  3. Construir a figura de Maria e da mãe ou pintar.

VIVÊNCIA PAROQUIAL

  1. Criar com os catequizandos a figura de Maria e uma mãe, que represente todas as mães da paróquia.
  2. Afixar a frase da semana.
  3. Criar um texto, para ser lido na eucaristia, de agradecimento a Maria pelo seu Sim, pela sua capacidade de escuta e de aceitação do projecto de Deus na sua vida, pela disponibilidade em acolher Jesus e de agradecimento a todas as mães pelo facto de darem a vida aos seus filhos, de os amarem, acompanharem o seu crescimento e de lhes transmitirem a fé.

in A Mensagem nº 387

2ª Semana de Advento








PARTILHA DA VIVÊNCIA EM FAMÍLIA







Iniciar a catequese com:

1. Partilha da experiência da semana (partilha da frase bíblica em família, estímulos de vida oferecido aos pais, construção da cabana).

2. Oração de louvor:

Pai de bondade,
Louvo-te e agradeço-te a natureza, toda a vida que nela germina e cresce.
Louvo-te e agradeço-te os meus pais, todas as pessoas que me amam.
Sei o quanto é grande o seu esforço para me oferecer tudo o que é necessário para eu viver e ser feliz.
Entrego-Te todos os que me amam, faz descer sobre eles a tua bênção e ternura.

PREPARAR A ESCUTA / O ENCONTRO COM O EMANUEL

Acende-se uma vela, coloca-se a Bíblia no centro da sala e faz-se silêncio. O catequista introduz a leitura e de seguida entrega a cada catequizando o texto escolhido (que pode ser colado por detrás da figura de João Baptista). Pede-se que cada um o leia em silêncio, seguidamente, solicita-se que escolham uma palavra ou uma frase e incentiva-se a que se partilhe o sentimento que provocou o texto e o que Jesus quer dizer, a cada um através dele.

TEXTO BÍBLICO - Mt 3, 1-12

REFLEXÃO

Uma voz clama no deserto: «Preparai os caminhos do Senhor.» A Luz quer brilhar nos olhos, no coração, nos pensamentos e nos gestos... Quando deixaremos Jesus Cristo inspirar, mover e orientar a vida? Se Jesus estivesse no meu lugar, que pensaria? Que seria? Como agiria?

«Arrependei-vos, pois está perto o Reino dos Céus.» Arrepender-se é reconhecer o que nos fecha à presença actuante do Espírito e aceitar ser por Ele conduzido. Arrepender-se é mudar de rumo e escolher o que nos liga a Deus e aos irmãos. Arrepender-se é fechar o coração e a inteligência aos pensamentos negativos, às palavras que destroem, aos gestos de egoísmo. Arrepender-se é por momentos, em cada dia, deixar o ruído exterior e rezar, escutar o Deus que fala no silêncio e na intimidade. Arrepender-se é escolher o Evangelho como critério de vida.

João traz uma grande notícia para nós hoje: o Messias quer vir a nós e entre nós! Se lhe abrirmos a porta tudo renascerá, e a humanidade será baptizada no fogo do Espírito.

Esta semana olhemos para São José, o esposo de Maria. Ele converteu-se, acolheu a luz e viveu, com simplicidade, a vida santa de quem ama o Menino Deus.

FRASE A GUARDAR NO CORAÇÃO, DECORAR, MEDITAR E PARTILHAR

"Arrependei-vos, pois está perto o Reino dos Céus.» Mt 3, 2

MOTIVAÇÃO PARA A VIVÊNCIA NA FAMÍLIA

Nesta segunda semana, os catequizandos são convidados a:

  1. Dizer aos pais a frase da semana e a afixar a mesma em suas casas.
  2. Estímulos de Vida: Olhar e estar atentos ao pai (ou quem o representa), ao que ele é, ao que ele faz na família e oferecer-lhe estímulos de vida: elogiar o pai pelas suas qualidades ou quando ele faz algo, dar-lhe um gesto de carinho e ternura, propor-se a colaborar nas suas tarefas... dizer-lhe que o ama.
  3. Construir (ou pintar) a figura de S. José e do pai.

VIVÊNCIA PAROQUIAL

  1. Criar com os catequizandos a figura de S. José e um pai, que represente todos os pais da paróquia.
  2. Afixar a frase da semana.
  3. Criar um texto, para ser lido na eucaristia, de agradecimento a S. José pela sua presença junto de Maria e Jesus e aos pais dos catequizandos pelo facto de amarem e ajudarem os seus filhos a crescerem. Agradecer o dom da transmissão da fé.
  4. Recordar o compromisso de oferecer estímulos de vida.

in A Mensagem nº 387

1ª Semana de Advento


Textos e actividades de apoio para o percurso




PREPARAR A ESCUTA / O ENCONTRO COM O EMANUEL








Colocar música de fundo, acender uma vela, abrir com dignidade a Bíblia, pedir que se fechem os olhos, ler o texto, pausadamente, com entoação própria. Seguidamente dar um tempo de silêncio e pedir que os catequizandos (se possível ainda de olhos fechados) façam eco, repitam alguma palavra do texto.

TEXTO BÍBLICO – Rom. 13,11-14

REFLEXÃO

São horas de despertar para a VIDA. A vida do Emanuel que pulsa em nós e nos convida a viver cada hora com a intensidade de quem se sente amado por Deus e destinado a "SER à imagem do Pai". Está na hora de abrir a porta ao Deus que espera o nosso SIM para entrar!

Despertar é ouvir e realizar com o coração e a inteligência a sublime palavra de Jesus: "Sede perfeitos como Eu e o
Pai" (Mt 5,48), perfeitos na capacidade de amar. Despertar é tornar-se especialistas dum amor que se manifesta na verdade, no perdão, na compaixão, na esperança, na alegria, na liberdade, na ternura, na capacidade de ver o outro como criação de Deus - um outro que aspira a ser o que Deus sonhou para ele! Um amor que escolhe, nos mais pequenos pormenores da vida, para si e para os outros, o que é bom, saudável e dignificante.

Estar acordados é ser perfeitos no amor como a flor que se oferece tanto a quem a admira como a quem a pisa! Perfeitos no amor que faz da nossa pessoa uma presença que liberta, dignifica e anima quem quer que passe pelo caminho!

Quem tem o coração acordado vive de Deus, com Deus e para Deus. N'Ele encontra sentido para a vida e descobre em tudo sinais de paz, esperança e crescimento.

Para quem se propõe cada dia despertar para a vida, a salvação está perto, está bem perto, já está no coração e nas mãos!

FRASE A GUARDAR NO CORAÇÃO, DECORAR, MEDITAR E PARTI LHAR

«Já são horas de acordar, a salvação está agora mais perto de nós...» (Rom. 13,11)

MOTIVAÇÃO PARA A VIVÊNCIA NA FAMÍLIA

Nesta primeira semana, os catequizando são convidados a:

  1. Dizer aos pais a frase da semana e a afixar a mesma em suas casas.
  2. Estímulo de vida: Olhar para a natureza e os bens e agradecer os mesmos a Deus e aos pais - formulando, junto dos pais, agradecimento pelos mesmos (alimentação, vestuários, casa, carro...).
  3. Construir (ou pintar) a cabana do presépio.

VIVÊNCIA PAROQUIAL

  1. Criar com os catequizandos e os pais a cabana do presépio na igreja (as várias figuras podem ser criadas pelos diferentes grupos de catequese).
  2. Afixar a frase da semana.
  3. Afixar um cartaz que convide a comunidade a oferecer estímulos de vida.

Criar um texto, para ser lido na eucaristia, de louvor a Deus pela criação e de elogio aos pais pelo esforço que fazem para oferecerem aos seus filhos todos os bens necessários para viver (alimentos, vestuário, casa...). O texto poderá aludir à cabana do presépio e à ecologia.

in A Mensagem nº 387

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Esquema Global Advento 2007


in A Mensagem nº 387

Dinâmica para o Catequista

Percurso de Advento
para os Catequistas


Daqueles que se deixam tocar pelo Espírito, e bebem nas águas do Evangelho brotam "estímulos de vida". Convidamos os catequistas a viverem profundamente o Advento com a ajuda dos textos propostos.
Quando o evangelizador fala da abundância do coração, a Palavra "encarna" e o seu testemunho atrai os ouvintes. Deus encontrou nele um espaço para dizer-se aos que ama. Sugerimos algumas propostas para a vivência interior do Advento assim como um desafio a criar uma atmosfera especial na catequese.

Sugestões para o catequista

* Tempo de Ser: ler no princípio da semana o texto proposto e a explicação e tentar recordar e meditar o texto durante a semana.
* Escolher uma frase do texto e afixá-la, em algum lugar, em casa, para a visualizar, recordar e interiorizar.
* Criar o seu próprio presépio no qual estariam presentes os catequizandos.
* No lar e na comunidade, estar atento à beleza e qualidade das pessoas (criadas à imagem e semelhança de Deus) e oferecer "estímulos de vida": elogios, abraço, ajuda, atenção, tempo de escuta, um olhar de perdão, um simples sorriso...
* Oferecer estímulos de vida aos catequizandos ao longo de todo o Advento (dinâmica a implementar como atitude de vida).
* Escrever para cada catequizando uma carta com estímulos de vida; recordando que cada um é uma obra maravilhosa e única, uma pessoa amada pelo Deus Ternura.
* Reafirmar, que por amor a cada um deles, Jesus nasceu no Presépio.
* Escrever uma carta com estímulos de vida para cada família.
* Escrever uma carta com estímulos de vida para a comunidade em nome da catequese (Em que é que a comunidade é um testemunho de vida e de transmissão da fé).

in A Mensagem nº 387

Dinâmica em Família



Percurso de Advento
para o Espaço da Família



ATITUDES / GESTOS

1° Contemplar

Esta actividade pretende desenvolver a capacidade de olhar a realidade e descobrir a dignidade, beleza e atitudes positivas das pessoas, e através deste exercício, ver e contemplar o mistério da encarnação.
Como fazer? É sugerido, aos catequizandos, que cada semana, contemplem uma das figuras do presépio e através dela reparem e apreciem um membro da família (ou outra pessoa para crianças que não vivam com os pais) para descobrir nele os aspectos positivos da sua personalidade, os gestos que realiza, o amor que manifesta, os sacrifícios que faz... Exemplo: contemplar Maria e a partir dela reparar na beleza da própria mãe, descobrir as suas qualidades, dar-se conta do seu papel no lar, dos gestos de amor e de ternura (aconchegar, escutar, cozinhar, lavar, …).


2° Oferecer estímulos de vida: levar o Advento para casa!

Que são os "Estímulos de Vida"? São gestos, atitudes ou palavras que permitem dizer ao outro o amor que se lhe tem, reconhecer nele os aspectos positivos, acarinhá-lo como uma pessoa única e olhá-lo como uma obra da ternura de Deus.

Esta actividade pretende levar até à família o Advento através de "estímulos de Vida". Será uma oportunidade para os catequizandos oferecerem sinais da ternura de Deus.

Como fazer? Propõe-se que, durante a semana, o catequizando ofereça estímulos de vida à pessoa a quem se dedica a semana. Exemplo: elogiar a mãe quando ela faz algo, dar-lhe um gesto de carinho e ternura, propor-se a colaborar nas suas tarefas...

INTERIORIZAÇÃO / ORAÇÃO

3° Levar para a família a Palavra e meditá-la

Como fazer? A frase escolhida para a semana, reflectida na catequese e decorada é levada para casa. O catequizando é convidado a dizê-la na família, a explicar o seu sentido e depois, afixa-la em casa.

OBRA A CRIAR EM FAMÍLIA

4° Construir o presépio da "família":
"A minha Família no presépio de Nazaré"

Como fazer? É sugerido que, cada semana, na família, se construa uma personagem do presépio assim como um membro da família. O presépio será um meio / instrumento que propicia a vivência do Advento no lar.

No dia da catequese, o catequizando traz, para o
grupo, a figura construída durante a semana para, na catequese, se criar o presépio de cada família.

No fim do Advento, os presépios serão entregues às famílias, numa celebração intergeracional) como preparação do grande acontecimento natalício.

Se o espaço das salas de catequese não tiver capacidade para aí serem guardados todos os presépios pode optar-se por pintar um quadro (comprando uma pequena tela ou outro material). Este seria pintado na família e trazido semanalmente para a catequese, para aí ser trabalhado e novamente, levado para casa para ser pintada a figura seguinte durante a semana. O importante é que se materializem as figuras, construindo o presépio ao longo do Advento.

in A Mensagem nº 387

Dinâmica de Advento


Percurso de Advento
para o Espaço da Catequese

Para cada catequese de Advento, propõe-se reservar um tempo para a dinâmica sugerida. Propomos o seguinte esquema:


1° Passo: Partilha da vivência em família

A partir do segundo Domingo, no princípio da catequese sugere-se que os catequizandos e o catequista partilhem a experiência realizada em família, durante a semana. A vida torna-se experiência se os acontecimentos forem reflectidos e interiorizados.

2° Passo: Preparar a escuta / o encontro com o Emanuel

Uma das Metas essenciais da catequese é oferecer aos catequizandos a possibilidade de se encontrarem com Jesus Cristo. O tempo da Palavra é neste contexto um momento de grande importância. É necessário cuidar de forma muito especial o local, o silêncio, a postura interior e física, para oferecer à Palavra um terreno propício.

3° Passo: Texto bíblico

É proposta a leitura de um dos textos da liturgia da semana para ser escutado e comentado na catequese. Dele é extraída uma frase que será a fonte de alimento para a semana.

4 ° Passo: Reflexão

Sendo o Catequista o primeiro a envolver a sua vida na dinâmica de conversão, A Mensagem propõe uma breve reflexão que será um apoio para a meditação e preparação deste.

5° Passo: Frase a guardar no coração, decorar, meditar e partilhar

Em cada semana é escolhida uma frase que acompanhará o catequizando e lhe permitirá levar a mensagem de Advento para casa. Como fazer? Num primeiro momento, explicar e conversar sobre a frase; seguidamente, pedir que os catequizandos a escrevam (para ser afixada em casa) e a decorem. Os catequistas podem oferecer, cada semana, uma pequena folha de cor para que aí, se escreva a frase. A mesma pode ser afixada na sala de catequese.

6°passo: Motivação para
a vivência na família

Apresentar aos catequizandos o projecto semanal e motivar para o mesmo. Nele, cada semana se descobre uma das figuras do presépio, no que elas têm de qualidades humanas, de santidade e de importância para a nossa vida e propõe-se uma dinâmica a realizar na família.

in A Mensagem nº 387

Advento 2007




Ser para Ele
Nascer em Nós





Somos um povo de sentinelas à espera da aurora, dessa Luz Divina que vem de dentro, do mais intimo do intimo da humanidade, dessa Luz que é fonte, alimento e meta da História.


Se Deus já encarnou há 2000 anos, em Jesus Cristo na nossa terra, na nossa carne, em coração humano; se Ele já fez seus os nossos projectos, a nossa liberdade e esperança, as nossas alegrias e perplexidades: porquê ESPERAR? Porquê entrar em tempo de Advento?


O "naScER de Deus", a vinda do Emanuel, para o humano SER em DEUS, depende da atitude pessoal e comunitária de disponibilidade à presença do Espírito que renova todas as coisas e da decisão pessoal de conversão.


O Advento 2007 é mais uma oportunidade que a liturgia nos oferece para trazer ao coração, a memória de um Deus que encarna cada dia na história individual e comunitária.


Toca-nos aqui e agora: confiar, esperar, disponibilizar-se, rasgar o coração, abrir a inteligência e as mãos!
Toca-nos aqui e agora contemplar o Amor de Deus para que, o ícone humilde do mistério, imprima no nosso ser e viver os traços do Deus Ternura e da família de Belém.
Toca-nos aqui e agora olhar à nossa volta e descobrir os sinais da presença do Verbo Encarnado nos seres humanos que acompanham o nosso viver.

Deus encarna e o ser humano diviniza-se, Deus abaixa-se e o ser humano eleva-se! Que este mistério de amor abale e enterneça o nosso Ser
e assim aconteça cada dia Natal!


Mª Isabel Azevedo de Oliveira, in A Mensagem 387

Foto do Coro de Pais



sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Vídeo - Coro dos Pais da Catequese


Com amizade e profunda gratidão!

Dez Mandamentos para os Pais com Filhos na Catequese

1. Não somos uma ilha. Assim como precisamos da família e da sociedade para fazer nascer e crescer o nosso filho, mesmo que a primeira responsabilidade seja sempre nossa, também precisamos da Igreja, para que o nosso filho, renascido pelo Baptismo, cresça connosco na fé.

2. Não nos bastamos a nós próprios na educação da fé, mesmo que sejamos os primeiros catequistas dos nossos filhos. Os catequistas da nossa paróquia estão à nossa disposição, não para ser nossos substitutos, mas para se tornarem nossos colaboradores na educação da fé. O seu trabalho, feito em comunhão com a Igreja, será sempre em vão, sem o nosso empenho e colaboração!

3. Não faltaremos à Catequese. A Catequese não é um «ensino» avulso e desorganizado. É uma educação da fé, feita de modo ordenado e sistemático, de acordo com o programa definido pelos Catecismos. As faltas à Catequese quebram a sequência normal da descoberta e do caminho da fé. Velaremos pela assiduidade dos nossos filhos. E pelo seu acompanhamento, num estreito diálogo com o pároco e os catequistas.

4. Não esperamos da Catequese que faça bons alunos. Antes, pretendemos que ela nos ajude a formar discípulos de Jesus, que O seguem, em comunidade. Não desprezaremos a comunidade dos seus discípulos, a Igreja, nos seus projectos, obras e iniciativas.

5. Não queremos, apesar de tudo, que a Catequese seja o nosso primeiro compromisso cristão. Participar na Eucaristia Dominical é um bem de primeira necessidade. Saberemos organizar a agenda do fim-de-semana, pondo a Eucaristia, em primeiro lugar. Custe o que custar!

6. Não queremos que a Catequese substitua as aulas de Educação Moral e Religiosa Católica nem o contrário. Porque a Catequese, não é uma “aula”, em ambiente escolar, dirigida sobretudo à inteligência, e destinada a articular a relação entre a fé e a cultura. A Catequese é sobretudo um “encontro”, no ambiente da comunidade, que se dirige à conversão da pessoa inteira, à sua mente, ao seu coração, à sua vida. A disciplina de EMRC e a Catequese não se excluem mas implicam-se mutuamente.

7. Não estaremos preocupados por que os nossos filhos “saibam muitas coisas”. Mas alegrar-nos-emos sempre, ao verificarmos que eles saboreiam a alegria de serem cristãos, e vão descobrindo, com outros cristãos, a Pessoa e o Mistério de Jesus, o Amigo por excelência, o Homem Novo, o Deus vivo e o Senhor das suas vidas!

8. Não exigiremos dos nossos filhos, o que não somos capazes de dar. Por isso, procuraremos receber nós próprios formação e catequese, para estarmos mais esclarecidos e mais bem preparados. Procuraremos estar onde eles estão. Rezar e celebrar com eles, de modo a que a nossa fé seja vivida em comum na pequena Igreja que é a família e se exprima na grande família que é a Igreja.

9. Não exigiremos dos nossos filhos o que não somos capazes de fazer. Procuraremos pensar e viver de acordo com os valores do Evangelho. Sabemos bem que o testemunho é a primeira forma de evangelização. Deste modo, eles aceitarão melhor a proposta dos nossos ideais e valores.

10. Jamais cederemos à tentação de “mandar” os filhos à Catequese, para nos vermos livres deles ou para fugirmos às nossas responsabilidades.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Catequese sobre os Seminários

No Seminário cresce o futuro

Sugestões para uma catequese da infância e adolescência sobre os seminários

Aqui apenas se deixam algumas propostas para transmitir determinados conteúdos. A forma de o fazer poderá ser enriquecida pela experiência e pedagogia que o catequista quiser acrescentar.

Objectivos

* Apresentar o sacerdócio como um dom de Deus para o bem e a felicidade das pessoas.
* Apresentar o sacerdócio como um tesouro a promover e acarinhar.
* Fomentar o amor aos seminários enquanto comunidade onde se formam os padres de que precisamos.

Material

* Bíblias para cada um.
* Quadro e giz de cor ou Cartolina e canetas de cor.
* Lista com os nomes dos seminaristas e endereço dos seminários da diocese.
* Envelopes e papel para escrever cartas.
* Pagelas com a oração pelos seminários.

Oração inicial

Na oração inicial, recordar que o catequista é Jesus Cristo, é Ele quem tem, em cada catequese, algum segredo a dar-nos a conhecer, e integrar um pequeno momento em que:

* O catequista (ou cada criança ou adolescente, à vez) pede a Jesus Cristo que lhe abra o coração e a inteligência para escutar e compreender os segredos que desta vez o Senhor quer contar.

* O catequista lê a palavra de Jesus Cristo para hoje (Mt 13,3-8):

«O semeador saiu para semear. Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho: e vieram as aves e comeram-nas. Outras caíram em sítios pedregosos, onde não havia muita terra: e logo brotaram, porque a terra era pouco profunda; mas, logo que o sol se ergueu, foram queimadas e, como não tinham raízes, secaram. Outras caíram entre espinhos: e os espinhos cresceram e sufocaram-nas. Outras caíram em terra boa e deram fruto: umas, cem; outras, sessenta; e outras, trinta.»

Conteúdo

Provocar a reacção ao que Jesus guardou para dizer hoje: num primeiro momento de diálogo, procurar o significado de cada um dos elementos do texto para a vida de hoje, sem fornecer respostas mas deixando que as crianças ou os adolescentes tentem acertar:

* O Semeador.
* A Semente.
* O terreno (a beira do caminho, os sítios pedregosos, a terra entre espinhos, a terra boa).
* As aves
* O sol.
* Os espinhos
* O fruto.

No final, sugerir que se a palavra foi dita por Jesus, talvez Ele tenha deixado pistas sobre o seu significado. Em consequência, procurar em conjunto na Sagrada Escritura o que Jesus quis dizer (Mt 13, 18-23 -realçar que a explicação não vem imediatamente a seguir e que é sempre preciso procurar; às vezes a resposta vem mais depressa, outras está mais longe):

«Escutai, pois, a parábola do semeador. Quando um homem ouve a palavra do Reino e não compreende, chega o maligno e apodera-se do que foi semeado no seu coração. Este é o que recebeu a semente à beira do caminho. Aquele que recebeu a semente em sítios pedregosos é o que ouve a palavra e a acolhe, de momento, com alegria; mas não tem raiz em si mesmo, é inconstante: se vier a tribulação ou a perseguição, por causa da palavra, sucumbe logo. Aquele que recebeu a semente entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo e a sedução da riqueza sufocam a palavra que, por isso, não produz fruto. E aquele que recebeu a semente em boa terra é o que ouve a palavra e a compreende: esse dá fruto e produz ora cem, ora sessenta, ora trinta.»

Fruto da explicação dada por Jesus, escrever no quadro (ou numa cartolina) duas colunas com os elementos simbólicos e os significados, para que as crianças possam desenhar as correspondências. Por exemplo:

O Semeador ↔ Jesus
A Semente ↔ Palavra do Reino, de Jesus
O terreno ↔ As pessoas
A beira do caminho ↔ Pessoa que não tenta compreender a Palavra de Jesus
Os sítios pedregosos ↔ Pessoa inconstante, que muda facilmente o que quer
A terra entre espinhos ↔ Pessoa ocupada com muitas coisas, sem tempo para Jesus
A terra boa ↔ Pessoa que compreende e vive a Palavra de Jesus
As aves ↔ Maligno, tentação, maus desejos
O sol ↔ Tribulações, perseguições, coisas difíceis
Os espinhos ↔ Coisas e riquezas deste mundo
O fruto ↔ Vida santa, feliz, de acordo com a Palavra de Jesus

No final, conduzir um diálogo que aprofunde o significado da parábola e leve a concluir que Jesus quer semear a vida feliz no coração de todas as pessoas mas que há muitos perigos porque as pessoas não ouvem nem aceitam o que Jesus quer dar; estão preocupadas com outras coisas a tentar ser felizes e deitam fora ou perdem aquilo que as pode fazer felizes. Diante desta realidade, levantar a questão: como é que Jesus tenta resolver este problema? Que resposta é que Ele tenta dar-nos? Talvez Ele tenha deixado mais algumas pistas... (procurar de novo, em conjunto, na Sagrada Escritura, o que é que Jesus propõe (Mt 9, 35 -10, 4)):

«Jesus percorria as cidades e as aldeias, ensinando nas sinagogas, proclamando o Evangelho do Reino e curando todas as enfermidades e doenças. Contemplando a multidão, encheu-se de compaixão por ela, pois estava cansada e abatida, como ovelhas sem pastor. Disse, então, aos seus discípulos: «A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, portanto, ao Senhor da seara para que envie trabalhadores para a sua seara.»
Jesus chamou doze discípulos e deu-lhes poder de expulsar os espíritos malignos e de curar todas as enfermidades e doenças. São estes os nomes dos doze Apóstolos: primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o cobrador de impostos; Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu; Simão, o Zelota, e Judas Iscariotes, que o traiu.»

Desenvolver uma conversa sobre o texto onde:

1. Se reforce que Jesus é o semeador (dono da seara) que quer ensinar, proclamar o Evangelho, curar, fortalecer, conduzir as pessoas (a multidão) à felicidade.
2. Se sublinhe que Jesus precisa de trabalhadores que o ajudem a cuidar da seara, evitando os perigos falados anteriormente.
3. Se mostre que Jesus escolhe alguns de entre o conjunto de todos os seus amigos para estarem junto a Si, aprenderem com Ele, receberem a mesma missão de semear e cuidar da seara.
4. Se leve a descobrir que esse grupo dos doze à volta de Jesus é, nos dias de hoje, o seminário.
5. Se marque que Jesus nos pede a todos que nos preocupemos em pedir trabalhadores para a sua seara, e assim nos compromete com a formação dos sacerdotes.
6. Se conclua que quanto maior cuidado tivermos todos pela formação dos sacerdotes, menos perigos corre a seara e mais frutos dará na vida de todas as pessoas.

Gesto de compromisso

Atribuir a cada criança ou adolescente um nome de um seminarista (ou o próprio seminário) para que possa escrever e enviar uma carta que seja fruto da catequese que escutou e na qual possa fazer algumas perguntas que queira, para melhor conhecer os seminários.

Oração final

Distribuir a pagela com a oração pelos seminários (esta no Blog a oração: http://catequesedecristorei.blogspot.com/2007/10/orao-para-semana-dos-seminrios.html), rezá-la em conjunto, e propor que cada um a reze em cada dia durante a semana dos seminários. No caso de a cada um ter sido atribuído o nome de um seminarista, propor que acrescente uma pequena oração que queira por esse seminarista.

No Seminário cresce o futuro

-Frase bonita e certeira, esta que preenche a Semana dos Seminários!

Bonita, porque a beleza é o esplendor da verdade. E a verdade dos Seminários é germinar neles o futuro da Igreja, no que aos seus pastores diz respeito. E, também por eles, respeita a todo o Povo de Deus e, por este, ao Mundo inteiro. Certeira também, porque Seminário traduz-se por "sementeira", onde crescem e se acompanham as vocações pastorais.

O futuro, esse só pode ser o que "já está no meio de nós"; Cristo, e a convivência nova que Ele inaugurou, também chamada Igreja e Reino. Assim sendo, o Seminário há-de ser já e acima de tudo uma comunidade cristã, em que, pela escuta atenta da Palavra, pela oração persistente que a assimile e lhe corresponda, pela celebração vivida dos Sacramentos, pela caridade amável e fraterna, se consolide uma autêntica experiência eclesial que um dia se expanda no Mundo, através do serviço pastoral.

Se expanda no Mundo, porque é esse o objectivo da Igreja. "Deus amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho único, para que todo o que n'Ele crer não morra, mas tenha a vida eterna", disse Jesus ao velho Nicodemos e ao mundo "velho" que, em Cristo, rejuvenescerá por fim.

A juventude dos nossos Seminários é a do perene recomeço das coisas em Cristo, assim "absorvido" pelos seus membros, formadores e alunos. Um dia, querendo Deus, estes últimos serão padres, sinais vivos de Cristo pastor no meio dos seus, para que a comunidade cristã seja, também ela, sinal vivo de Cristo para a salvação do Mundo.

Graças a Deus, é este o futuro do Mundo. Mas nos Seminários já se divisam os seus contornos!

Porto, 11 de Outubro de 2007
Solenidade de Nossa Senhora de Vandoma
+ Manuel Clemente, Bispo do Porto

Oração Para a Semana dos Seminários - 11 a 18 de Novembro


Jesus Cristo, Sacerdote único e eterno,
sois o Bom Pastor
que dá a vida pelas suas ovelhas.
Sois o mesmo ontem, hoje
e por toda a eternidade.
Só vós dais sentido
à vida de cada um de nós,
só em vós há futuro para a humanidade,
porque acreditar no Filho de Deus
é ter a Vida Eterna.

Vós confiastes à Igreja o ministério sacerdotal
sacramento do Vosso Amor incondicional
ao Pai e aos irmãos.
Fazei dos nossos seminários
sementeiras de Amor,
de serviço e de entrega radical
pelo Vosso Reino,
sinais de esperança de um futuro
de vida em abundância para todos.

Confiamo-vos os nossos Seminários:
confirmai nos dons do Espírito
os Bispos e demais formadores;
fortalecei e iluminai
no discernimento vocacional os alunos;
enchei de generosidade e espírito de serviço
os colaboradores que neles trabalham;
recompensai e abençoai os seus benfeitores
que com a oração e partilha de bens,
zelam pela missão de formação.

Por intercessão da Virgem Maria e de S. José,
concedei à vossa Igreja e ao mundo
os sacerdotes generosos e santos
de que precisam.

Ámen.

Coro da Catequese

Quem frequenta a Missa da Catequese em Cristo Rei sabe o papel importante que o "Coro dos Pais" desempenha nesta celebração. Deixo aqui o link do Blog dedicado aos Pais do Coro da Catequese onde encontramos um texto assinado pela Rita&Nuno. Que a leitura nos motive a participar sempre mais nas nossas Eucaristias!

Bem-hajam!

Breve historial do“Coro dos Pais”Paróquia Cristo-Rei

O “Coro dos Pais” da Paróquia de Cristo-Rei nasceu em 2002 com a necessidade de criar um coro com os pais das crianças que iriam fazer, nesse ano, a Primeira Comunhão, coro esse que iria animar as celebrações em causa. A adesão foi forte e, depois de um período inicial de ensaios, que tiveram lugar entre Abril e Junho de 2002, o grupo então criado decidiu passar a animar todas as celebrações relacionadas com a catequese da Paróquia, como as Missas da Catequese e todas as celebrações dos vários catecismos, principalmente as Primeiras Comunhões e as Profissões de Fé.
Os ensaios são mensais (por regra às 21h30, no Centro Paroquial de Cristo-Rei) sem prejuízo da realização de outros ensaios suplementares em determinadas ocasiões. Desde Setembro de 2002 que o coro está aberto a todos os pais da catequese bem como a outras pessoas que gostem de cantar e de dar o seu tempo à Paróquia. É um coro amador, em regime de voluntariado, e que tenta contribuir, sempre que possível, com a angariação de fundos para a vida da Paróquia. Actualmente o “Coro dos Pais” tem também animado outras celebrações, como casamentos e baptizados, Missas das quadras do Natal e da Páscoa. Para além disso tem cantado as “Janeiras” nos dois últimos anos pelas ruas da Paróquia.

Assim juntem-se a nós!

Rita E Nuno

terça-feira, 30 de outubro de 2007

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Mensagem para os Catequistas

Mensagem do cardeal Hummes aos catequistas do mundo

Prefeito da Congregação para o Clero

A paz do Senhor esteja com vocês!

Neste primeiro ano de meu serviço ao Santo Padre, Bento XVI, na Congregação para o Clero, à qual está confiada a catequese, desejo fazer-lhes chegar minha saudação cordial e fraterna.

A Deus bom e grande no amor, rico em misericórdia, peço que os abençoe de modo muito especial.

E o faço na Festa de São Lucas evangelista, recordando sua contribuição fundante para o anúncio universal de Jesus Cristo morto e ressuscitado, e de seu Reino.

Desejo, antes de tudo, comunicar-lhes minha admiração por seu serviço eclesial, com frequência incansável, na educação da fé católica de muitos catecúmenos ou de já baptizados confiados a vocês. Asseguro-lhes meu carinho como irmãos e irmãs queridos, comprometidos na boa luta pela fé que lhes solicita com frequência sacrifícios heróicos, aos que, contudo, vocês respondem com alegria e perseverança.

Na quotidiana fidelidade a Deus e fidelidade ao homem, vocês continuam sendo para suas comunidades paroquiais uma verdadeira riqueza. Vocês são um dos sinais mais promissores, com o qual o Senhor não deixa de confortar-nos e de surpreender-nos.

Continuem mostrando paixão e vontade na aquisição sincera dessa fisionomia própria de professores, educadores e testemunhas da verdade, para transmiti-la integral e fielmente ao homem de nosso tempo.

Sejam capazes de fortalecer sua fé, «sempre dispostos a defender-se de qualquer um que lhes peça razão da esperança que vocês têm» [1 Pe 3, 15], com a oração, com a formação, com a caridade. Sempre sejam alegres e diligentes para que, também através de sua obra, «Deus seja glorificado em tudo por Jesus Cristo. A ele seja a glória e o poder» [1 Pe 4, 11].

Eu os exorto a rezar e a cultivar com confiança uma relação de amor, de dedicação, de escuta e de silêncio com o Senhor.

Em um mundo com frequência sem esperança, vítima da violência e do egoísmo, que cada gesto, cada sorriso, cada palavra de vocês seja um testemunho vivo de que o Senhor venceu o pecado e a morte e de que o amor é possível!

Eu os exorto a redescobrir as raízes profundas de seu testemunho no Baptismo e na Confirmação. A nutrir vosso serviço de catequese com o alimento dos fortes: a Eucaristia. A revelar o rosto de Cristo a todos os que encontrem, na gratidão e na fidelidade de seu serviço.

Que o Espírito do Senhor faça nova vossa vida e faça crescer a comunhão entre vocês.

«Que o mundo actual – que busca às vezes com angústia, às vezes com esperança – possa assim receber a Boa Nova, não através de evangelizadores tristes e desanimados, impacientes ou ansiosos, mas através de ministros do Evangelho, cuja vida irradia o fervor de quem recebeu, antes de mais nada em si mesmos, a alegria de Cristo, e aceitam consagrar sua vida à tarefa de anunciar o Reino de Deus e de implantar a Igreja no mundo.» (EN 80).

Invoco sobre vocês a Bênção que tanto amava São Francisco de Assis:

«O Senhor te abençoe e te guarde,
Mostre a ti o seu rosto e tenha misericórdia de ti.
Volte para ti o seu olhar
e te dê a paz.»

E que a Virgem Maria, Estrela da evangelização, os conduza e os assista, e seja para vocês sinal de segura esperança.

Cidade do Vaticano, 18 de Outubro de 2007.
Festa de São Lucas evangelista

Cláudio card. Hummes
Prefeito

Horário da Catequese

  • Domingo - 10h30-11h30 e 12h00 Missa
  • 2ª-feira - 17h00-18h00 e 18h30-19h30
  • 3ª-feira - 17h00-18h00 e 18h30-19h30
  • 4ª-feira - 17h00-18h00 e 18h30-19h30
  • Sábado - 11h00-12h00

Catequese da Infância

Ano

Catecismos

Fases

Celebrações

Despertar 1

Jesus Gosta de mim

I

Iniciação ao Itinerário catequético

Festa do Pai Nosso

Despertar 2

Estou com Jesus

Entrega do
Novo Testamento

Descobrir 1

Queremos Seguir-te

II

A vida do Discípulo de Cristo

Primeira Comunhão

Descobrir 2

Ficamos Contigo

Entrega da Bíblia

Celebrar 1

Eu sou o vosso Deus

III

Aprofundamento da Fé

Entrega do Credo

Celebrar 2

Jesus Cristo é o Senhor

Profissão de Fé


N.B.: Como o Catecismo do 1º Ano (Jesus Gosta de Mim) está esgotado recomenda-se que cliquem no link e descarreguem o documento com as cinco primeiras catequeses.

(http://www.catequesedoporto.com/htmlarea2/popups/insFile/data/catequeses/CATEQUESES_1ano_net.doc)

sábado, 27 de outubro de 2007

Abertura

Cordiais saudações a todos os que nos visitam!

É nosso desejo que este Blog dedicado à catequese da Paróquia de Cristo Rei (Porto) traga novidades e informações úteis a todos os que nos escolheram como lugar de aprendizagem e crescimento na fé.

A força e a eficácia deste meio de comunicação dependerá também da receptividade por parte dos seus leitores. Pretendemos colocar on line as notícias que dizem respeito à catequese em geral e à catequese de Cristo Rei em particular.

Aguardamos as sugestões de todos os que quiserem colaborar a tornar este Blog num verdadeiro elo de ligação entre toda a comunidade catequética.

Os meus votos de um excelente ano de Catequese!

Frei José Manuel

Notícias da Igreja

A vinda de Jesus à Terra